terça-feira, 26 de abril de 2005

A palavra poderosa de Solano Trindade



Não sei dizer quando li Solano Trindade pela primeira vez. Devia ter uns 12 ou 13 anos e, se não me engano, foi com alguns amigos da minha tenra militância no Movimento Negro, que peguei alguns livros e entre estes o de Solano. Todos os seus poemas me impactaram. Todos! Tal como Manuel Bandeira que me apaixona, Solano me impactou e ainda impacta. Seus versos fortes, suas palavras claras e belas, sua forma de abordar o momento histórico de luta de libertação dos africanos da Diáspora, me fizeram um grande fã seu.

O poema que segue abaixo é o primeiro dele de que me lembro. É um dos que mais gosto, é do que tem mais a ver comigo. O trem sujo que àquela época dizia: "tem gente com fome", hoje diria além: tem gente morrendo de tiro, tem gente morrendo de desesperança, tem gente morrendo por ser pobre, por ser negra, por viver onde vive.

O mais impressionante é ver como continua atual a poesia de Solano e como os problemas sociais brasileiros pioraram ao invés de melhorar através dos anos. E este será o gancho pra um outro texto. Agora, quem conhece relembre e quem não conhece, se encante com as belas e poderosas palavras de Solano.


TEM GENTE COM FOME

Trem sujo da Leopoldina
correndo correndo
parece dizer
tem gente com fome
tem gente com fome
tem gente com fome

Piiiiii

Estação de Caxias
de novo a dizer
de novo a correr
tem gente com fome
tem gente com fome
tem gente com fome

Vigário Geral
Lucas
Cordovil
Brás de Pina
Penha Circular
Estação da Penha
Olaria
Ramos
Bom Sucesso
Carlos Chagas
Triagem, Mauá
trem sujo da Leopoldina
correndo correndo
parece dzier
tem gente com fome
tem gente com fome
tem gente com fome

Tantas caras tristes
querendo chegar
em algum destino
em algum lugar

Trem sujo da Leopoldina
correndo correndo
parece dizer
tem gente com fome
tem gente com fome
tem gente com fome

Só nas estações
quando vai parando
lentamente começa a dizer
se tem gente com fome
dá de comer
se tem gente com fome
dá de comer
se tem gente com fome
dá de comer

Mas o freio de ar
todo autoritário
manda o trem calar
Psiuuuuuuuuuuu

3 comentários:

Helton Fesan disse...

Creio ser caso de serendipidade. procurava pelo poema do Solano Trindade e encontrei este blog super interessante. Coisas do Quilombo Virtual. Sucesso.

http://heltonfesan.blog.terra.com.br/

Anônimo disse...

ENCONTREI ESSE OÁSIS
AGRADECIDA DE CORAÇÃO MULTIÉTNICO,
POLICROMADO.UNO....
BEIJINHOS
MARINA TRINDADE
SALVADOR-BAHIA
TERRA NEGRA DA MAGIA
PLURIÉTNICA

Anônimo disse...

Por que nao:)