quarta-feira, 17 de junho de 2009

Caso Canabrava :mais uma mãe negra morre em Salvador

Todos os dias pela manhã quando acordo procuro me manter informada dos acontecimentos locais, nacionais e internacionais.

Leio os jornais de grande circulação da cidade onde moro ,Salvador a exemplo do jornal A Tarde, como também assisto a telejornais e programas policiais para solidificar a minha responsabilidade enquanto porta voz do meu povo.

Tenho identificado que esta responsabilidade perpassa falar de cultura, artes, religião e música enfim de eventos, que me auto-definir enquanto membro de um grupo étnico-racial é também me posicionar no plano político e ideológico, uma vez que membros do meu grupo estão todos os dias expostos a humilhação nos meios midiaticos e que na condição de repórter e mulher negra não posso de forma alguma me comportar de maneira imparcial perante estes fatos sem me sentir parte destes problemas.

Esta manhã não foi mais uma manhã em que eu apenas assistir, li e me indignei com as noticias , ela foi diferente porque não da mais para suportar, então, decidir soltar o verbo nos meios de comunicação deste estado porque Salvador esta lavada de sangue negro.

Agô, forças ancestrais para que eu possa transgredir as regras dessa academia imparcial para falar de uma dor que é irreparável , de um assunto de extrema seriedade na sociedade brasileira, de fatos recorrentes na sociedade baiana.

Ontem(16) por volta das 20 horas três jovens negros foram executados dentro de casa pela policia, os três irmãos – Edmilson Ferreira dos Anjos, 22 anos, Rogério Ferreira, 24, e Manoel Ferreira, 23 .

O fato esta exposto nos jornais de grande circulação da cidade, porém a minha ótica é para além deste fato é na conseqüência , na desestrutura das famílias negras do bairro de Canabrava, submetidas à guerra urbana e tratadas como se não tivessem direitos à segurança publica , como se fossem as culpadas pelo caos social,na morte psicológica não só da senhora Maria Conceição mãe destes três jovens negros como também de várias mães negras desta cidade que presenciam o extermínio dos seus filhos sem direito a defesa, porque os déspotas tratam imediatamente de contextualizar os fatos afirmando que os jovens negros (as) envolvidos em situação de violência são membros do tráficos, não se enganem meu povo!Afinal estes mesmos déspotas e tantos outros aprenderam com as idéias cientificista e racistas do século XIX “Nina Rodrigues” e seus discípulos a definirem o fenótipo dos supeitos (as).

Ao me deparar com o discurso da senhora Maria da conceição foi inevitável não pensar na possiblidade da minha mãe negra também ser vítima desta violência. Leiam na intergra o que ela falou para o jornal A Tarde[...] que os filhos não teriam envolvimento com o tráfico de drogas e nem com o homicídio.

“Eles não iam ficar em casa, onde foram mortos, se estivessem envolvidos, ainda mais vendo um monte de policiais na rua”, se desesperou a mãe”.[...]

A violência não esta explicita neste depoimento ela esta para além dele porque a morte psicológica em casos como este é irretratável , os policiais pediram para que dona Maria Conceição se retirasse da sua casa para executar seus três filhos.

Ai, eu tentei me transportar para o sentimento, para dor desta mãe negra, a me questionar se existe alguma força superior ou alguém que consiga conforta-la neste momento.

Movimento negro deste estado, deste país e agora qual será o nosso posicionamento com relação a esta situação? O que vamos fazer para garantir o acesso jurídico destas famílias, como será a nossa intervenção no amparo a dona Maria Conceição e toda sua família? Será que este fato será mais um número no índice de pesquisa sobre violência? Deixo aqui as minhas reflexões e setimento pois à primeira conferência nacional de segurança pública esta se aproximando com o tema segurança e cidadania:participe desta mudança! E aqui em Salvador a madeira continua comendo no centro.

Repórter Ana Paula Fanon

Nenhum comentário: