segunda-feira, 11 de fevereiro de 2008

Desafios futuros para o Movimento Negro

Marcio Alexandre M. Gualberto – Coordenador do Coletivo de Entidades Negras (CEN), editor do blog Palavra Sinistra, colaborador de Afropress e membro de Mamapress*

Não tenho dúvidas em afirmar que o Movimento Negro é uma das articulações sociais mais exitosas na história do país. Durante todo o século XX foi o MN quem abriu os olhos da sociedade brasileira para que ela percebesse o quanto era racista e preconceituosa com relação à população negra.

É o MN que vai combater e destruir o mito da democracia racial. É ele quem vai desenvolver ações de resgate da auto-estima da população negra. É ele que vai formular e pleitear políticas compensatórias para combater as desigualdades geradas pela discriminação e pelo racismo. Enfim, é um movimento forte, poderoso, que se encontra agora, no limiar de um novo século frente a frente com novos desafios.

Nesse sentido há que se pensar que o maior desafio para o MN nos próximos anos será se tornar um movimento de massas; chegou a hora de o MN falar à população; às favelas e às periferias; aos grandes centros urbanos e rurais; aos jovens, mas também aos adultos e aos idosos.

Se nas ultimas décadas coube ao MN a tarefa de ir para uma arena de embate mais no campo intelectual, hoje, o que está posto é que haverá a necessidade real e concreta deste movimento se articular com aqueles que devem ser beneficiários mais diretos de suas ações. Até porque será essa base, essa massa, que dará a capilaridade, legitimidade e força política necessária para que o MN possa tornar mais sólidas suas reivindicações e proposições.

Não se pode fechar os olhos para uma realidade cruel dos dias atuais: os recursos das agências de cooperação ou terminaram ou migraram para outras áreas. Com isso, as organizações do MN vêm atuando nos últimos anos com parcos recursos financeiros, contando apenas com a contribuição voluntária ou o sacrifício dos seus principais dirigentes para manter as ações em dia.

No entanto, nunca a questão étnico-racial esteve tão presente na agenda da sociedade brasileira. Temas como quilombos, a intolerância religiosa contra as religiões de matriz africana, as políticas de ação afirmativa, o Estatuto da Igualdade Racial, as desigualdades no mercado de trabalho entre outros fazem parte de uma agenda mais ampla e não somente do Movimento Negro.

Conciliar as dificuldades provocadas pela falta de recursos com uma ação forte de diálogo e aproximação com a massa da população é, sem dúvida, um dos grandes desafios imediatos que o MN terá que enfrentar. Ousar na linguagem, agir na perspectiva da formação e capacitação; inserir estes temas na realidade de pessoas que vivem na pobreza ou na miséria absoluta não será fácil, mas terá que ser feito.

Com isso o MN estará pronto para inaugurar o novo século como um movimento forte, que faça pressão, que leve gente às ruas para pleitear suas demandas. É isso que nos levará à vitória.

___________

* Texto publicado na Revista Raça do mês de janeiro, na seção "Palavra de Conselheiro". A partir de agora esse humilde escrevinhador passa a compor, a convite de Maurício Pestana, o Conselho Editorial desta revista.

6 comentários:

josé ricardo disse...

Bela exortação de um encontro com a realidade para os que se intutulam MN. Neste ponto fundamental o que falta é a compreensão estratégica de que o MN não é mais os grupelhos e ongs e sim e cada vez mais os grupos profissionais, estudantes, empreendedores, etc. Desde que as instâncias que se propõen a serem representativas entendam isto, elas de fato o serão. E certamente, sem querer exercer tutelas políticas como hoje fazem.
axé,

maria fro disse...

Alê, tô capturando o artigo e a contraresposta que vc enviou para as mulheres negras para o blog da Mariafro.
Olhe só, quando a situação financeira melhorar vou assinar a Raça, grande incentivo ter Maurício Pestana na direção editorial e uma diversidade de concepções e idéias ganhando espaço por lá :)
abraços
Frô

maria fro disse...

Ps esqueci parabéns pelo presente e ao presenteador, ficou muito bom o logo.

Anônimo disse...

Marcio estou muito feliz com suas plavras me sinto honrada e contemplada com seu sucesso e suas ideias.
Na verdade tudo que você comenta está realmente aos nossos olhos e no nosso dia-dia, enfim você é bom no que faz.
Adorei!

Anônimo disse...

Marcio estou muito feliz com suas plavras me sinto honrada e contemplada com seu sucesso e suas ideias.
Na verdade tudo que você comenta está realmente aos nossos olhos e no nosso dia-dia, enfim você é bom no que faz.
Bjos Luanda Fonseca

Yá. disse...

Parabéns pelo texto, você foi muito feliz em suas palavras e colocações!
Adicionalmente, gostei muito da forma que você escreve!
Um abraço!
Yoná Valentim.