segunda-feira, 30 de março de 2009

Cidadão Boilesen, de Chaim Litewski


Acima de qualquer suspeita


Nem todo mundo sabe o significado do nome da rua em que nasce, mora, trabalha ou trafegapor toda uma vida. E os moradores do bairro do Jaguaré na ZO de São Paulo não são exceção a regra: o logradouro Henning Boilesen recebeu esse nome em homenagem a um dos principais empresários brasileiros, presidente do grupo Ultragaz. O documentário de Chaim Litewski mostra, com uma infinidade de imagens de arquivo misturadas a depoimentos de pessoas que sobreviveram a ditadura militar, quem foi e o que fez este dinamarquês naturalizado brasileiro, que tanto podia ser visto em festas badaladas e colunas sociais da alta sociedade paulistana como também em reuniões da FIESP, arrecadando fundos para financiar a tortura dos militantes políticos de esquerda através da criação da OBAN (Operação Bandeirantes). Partindo do zero, Chaim nos revela um Boilsen esbanjando charme e simpatia,  criador do CIEE (Centro de Integração Empresa Escola), instituição que até hoje dá oportunidade de estágio a jovens estudantes de segundo e terceiro graus. E que também inventor de uma ferramenta de tortura que acabou com o seu nome: a "pianola de Boilesen", uma espécie de teclado que emitia choques elétricos nas vítimas.  

Ao analisar este período da História brasileira, o diretor colhe depoimentos dos mais variados (do ex-presidente Fernando Henrique Cardoso ao coronel Erasmo Dias, de torturados a militares envolvidos nos "anos de Chumbo"), mescalndo cenas fortes de filmes como "Pra Frente Brasil", de Roberto Farias a "Lamarca", de Sérgio Rezende. O curioso é que a entrega de gás, presente hoje como um dos "serviços" prestados pelas milícias e pelo tráfico nas comunidades e favelas do país,  já naquela época estava envolvida em atividades criminosas: o documentário mostra que Boilsen usava os caminhões de entrega de gás de sua empresa para dar cobertura as açõesde sequestradores e torturadores envolvidos na repressão.  

2 comentários:

Doutor disse...

Incrível, Rolo! Cada vez mais, fatos e verdades surgem a respeito das atividades criminosas acontecidas nos Anos de Chumbo. Parabéns ao diretor por não julgar ninguém em seu filme, apenas relatar fatos. As conclusões ficam a nosso encargo, os espectadores.

Anônimo disse...

È praticamente impossivel assistir a este brilhante documentário !!!
Em qual cinema está passando em São Paulo ?
Dá para alugar ou comprar ???
Onde ???
Dá para baixar pela internet ???
Estou revirando a internet a dias e não acho !!!
Quem souber de alguma informação, por favor me ajude, obrigado.
Anônimo.